As Empreguetes – Vale a pena ver de novo!

Cheias de Charme - Vale a pena ver de novo

Cheias de Charme – Vale a pena ver de novo

Por Jota Junior

Por onde andam as empreguetes? Pergunta interessante, não é? A questão á primeira vista pode até parecer difícil, mas é tão obvia: As Empreguetes estão por aí por esse mundão de Deus. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem cerca de 9 milhões de trabalhadores domésticos, e pelo mundo afora nem se contam, são incontáveis…

Ainda está latente na memória a novela global Cheias de Charme, a trama que propositalmente ou não, acabou por denunciar a realidade do universo dos trabalhadores domésticos, que ainda hoje, em sua maioria, ainda sofrem maus tratos, trabalham sem receber direitos trabalhistas, e em alguns casos, sem nem mesmo ter a carteira assinada. Trabalhadores que ainda têm nos sábados, domingos e / ou feriados, dias inalcançáveis, pois continuam trabalhando arduamente, sem direito ao descanso remunerado e merecido.

Mas a boa nova é que a ficção, com uma forcinha dos movimentos organizados, acabou por contaminar uma realidade nua e crua, trazendo a baila um assunto até então ´proibido´ nos meios formais sociais. Ao exortar, nos deveras condicionados certa possibilidade, embora remota, de que havia uma chance de melhoria nessas condições. Como bem diz a atriz Tais Araújo,“O maniqueísmo meteu o dedo na ferida e não doeu, fez cosquinhas e todo mundo brincou, sorriu, e achou até bom”.

Nesses tempos de crenças e descrenças radicais, ninguém acreditava nessa possibilidade, pois havia no ar uma certa desmobilização organizada. Justamente quando os tambores rufaram. E como rufaram! As trombetas soaram. E como soaram e ecoaram longe…

Naquele instante o silêncio estava sendo quebrado, e o barulho foi tanto que acabou por ser ouvido até lá em Brasília. Longínqua Brasília! Longínquo Congresso Nacional! Tão distante dos anseios do povo. Mas chegou lá. Para ser mais exato: justamente num cego e surdo Congresso Nacional, que quase nunca vê nem enxerga as aspirações do povo, salvo se for por para atender seus próprios interesses oligárquicos. Será que a justiça será feita, ô pátria amada idolatrada salve, salve?

Há quem diga que a culpa é da interatividade em voga e da mobilidade social da Internet que propiciou grande sucesso ao clipe da novela e acabou por incluir o telespectador no processo. Como diz a atriz Taís: “você se empresta e se transmite através dos conteúdos que você interage, a Internet veio para dentro da novela através da interação, somando ideias e termos como, as empreguetes, as cachorretes, e depois as desempreguetes, e popularizou as periguetes”.

A ficção se fundiu com a realidade, e a realidade nua e crua soube se aproveitar do momento oportuno. Fez-se presente e cobrou de quem de direito um posicionamento, uma decisão, e este grito foi tão grande que ressoou nos picaretas. Como bem disse o Lula do passado: eram quatrocentos picaretas, mas parece que ele errou na conta ou esqueceu-se de incluir os seus aliados, que não são nada bobos, nem usam tarja preta.

A boa notícia é que o Congresso acaba de aprovar a por unanimidade, a Emenda Constitucional n° 72/2013, anteriormente conhecida como PEC das Domésticas.

Ainda há muitas senzalas para fechar até que se alcance a liberdade plena, a emancipação e libertação desejada. Todavia, é fato que estamos dando um grande passo, quando fechamos mais uma senzala e jogamos as chaves fora, entregando dignidade ás pessoas, neste caso, aos empregados domésticos.

Serviço:

O advogado Carlos Eduardo Dantas Costa, do escritório Peixoto e Cury Advogados, especialista em direito do trabalho e administração de empresas, esclarece, em vídeo, as principais dúvidas sobre a emenda constitucional que deu novos direitos aos trabalhadores domésticos, como empregadas, motoristas e babás.

Acesse o link.

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/advogado-tira-duvidas-sobre-a-pec-das-empregadas-domesticas

Anúncios
Galeria

Presépios – Álbum de fotos

Esta galeria contém 51 imagens.

Presépios

Presépios

Presépios

 

Por Jota Junior

Para quem não teve oportunidade de prestigiar o Festival de Presépios, instalado a céu aberto na Arena do Jardim de Alah, em Ipanema, e em diversos logradouros da Cidade do Rio de Janeiro, no período de 01 a 25 de dezembro, e que foi considerado pelo público e por boa parte da mídia o melhor evento de arte de rua do Rio de Janeiro dos últimos tempos. E que também poderá ser considerado como a maior exposição de presépios artísticos em tamanho grande a céu aberto do mundo pelo Guiness World Records, com obras exclusivas elaboradas por artistas brasileiros selecionados pela Curadoria da exposição, a partir de chamada pública nacional. Calma que nem tudo está perdido: A Exposição será exibida em São Paulo, no período de 08 de dezembro a 06 de janeiro de 2013, a céu aberto na Arena do Parque Ibirapuera, na área ao lado do Aeromodelismo, com entrada pela Rua Curitiba, e em diversos logradouros daquela cidade.

Se mesmo assim, por qualquer motivo, você não puder comparecer, o mundo não vai acabar! Estivemos lá, registramos e preparamos uma mostra especial em nosso álbum de fotos. Aprecie!

Conheça um pouco da história da origem dos Presépios.

O presépio talvez seja a mais antiga forma de caracterização do Natal. Sabe-se que foi São Francisco de Assis, na cidade italiana de Greccio, em 1223, o primeiro a usar a manjedoura com figuras esculpidas formando um presépio, tal qual o conhecemos hoje. A idéia surgiu enquanto o santo lia, numa de suas longas noites dedicadas à oração, um trecho de São Lucas que lembrava o nascimento de Cristo. Resolveu então montá-lo em tamanho natural numa gruta de sua cidade. O que restou desse presépio encontra-se atualmente na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma.

Presépio significa em hebraico “a manjedoura dos animais” mas a palavra é usada com freqüência para indicar o próprio estábulo. Segundo o evangelista Lucas, Jesus ao nascer foi reclinado em um presépio que provavelmente seria uma manjedoura, como as muitas que existiam nas grutas naturais da Palestina, utilizadas para recolher animais. Já São Jerônimo diz que o presépio de Jesus era feito de barro aproveitando-se uma saliência da rocha e adaptando-a para tal finalidade. As duas versões são bem aceitas.

O presépio de São Francisco incluía uma manjedoura, acima da qual foi improvisado um altar. Nesse cenário ocorreu a missa da meia-noite, na qual o próprio santo com a vestimenta de diácono cantou solenemente o Evangelho juntamente com o povo simples e pronunciou um comovente sermão sobre o nascimento do Menino Jesus.

Conta-se que naquela noite especial, enquanto o santo proferia as palavras do Evangelho sobre o nascimento do Menino Jesus, todos os presentes puderam ver uma criança em seu colo envolvida num halo de luz. A cena foi narrada em 1229 por Tommaso de Celano, biógrafo de São Francisco de Assis, na Vita Prima.

Passados mais de trinta anos São Boaventura também descreveu a mesma cena e, depois dele, outros e outros autores, descrevendo em minúcias as figuras esculpidas do Menino, da Virgem e de São José. A partir de então, os presépios foram tornando-se cada vez mais populares e, além das figuras tradicionais do Menino Jesus deitado na manjedoura, Maria e José, acabaram incluindo uma enorme variedade de personagens, como os pastores, os Reis Magos, a estrela e os animais.

Em muitos lugares a confecção das figuras do presépio virou tradição popular, como é o caso dos santons na França. E em muitos lugares os presépios viraram verdadeiras obras de arte. A tradição, no entanto, ganhou impulso renovado no século XVIII. De Nápoles, na Itália, o costume de construir presépio cada vez mais artísticos difundiu-se para Espanha e Portugal. E, aos poucos, o hábito de montar presépios nas casas na época do Natal foi tornando-se mais e mais popular. Seja com modestas figuras de barro, seja com suntuosos personagens vestidos de tecidos raros, nas igrejas ou nas casas e, até, em representações teatrais o presépio é uma das tradições mais queridas do Natal. No Brasil, em muitos estados do Nordeste, até hoje a montagem dos presépios é acompanhada de danças e festejos conhecidos como Pastorinhas, versões brasileiras dos autos de Natal, que eram encenações do nascimento de Jesus típicas de algumas regiões da Europa, como a Provença, na França.

As figuras do presépio – Cada um dos elementos envolvidos no nascimento do Menino Jesus, há mais de 2.000 anos tem um papel muito importante: A Sagrada Família, os Reis Magos, os pastores, as ovelhas, a vaca e o jumento, e todos os outros que a imaginação popular resolveu incorporar à cena original. Os anjos aparecem aos pastores de Belém contando que Jesus havia nascido e louvado a Deus. Estas figuras são, geralmente, representadas com instrumentos musicais, na suposição de que estejam cantando preces em louvor a Jesus. Os pastores foram os primeiros adoradores de Cristo. Ligados a eles, estão os carneiros, mansas criaturas muitas vezes usadas para simbolizar a humildade de Cristo como Divino Pastor.

Acredita-se que nessa mesma noite sagrada, uma estrela andou pelo céu e se localizou em cima da manjedoura, transformando-se no símbolo do Divino Guia. Foi ela que orientou aqueles que acreditaram no nascimento de Jesus, inclusive os Três Reis Magos, que, segundo conta-se, vieram de algum lugar distante, no Oriente. Os três reis, muitas vezes apresentados como homens sábios, também foram saudar o recém-nascido. Para os cristãos, sua visita havia sido profetizada na Bíblia, no Salmo 71, e em Isaías, 60. Eram eles os reis que levaram presentes de incenso, ouro e mirra.

Não podem faltar no presépio a vaca e a jumenta. Se a vaca, produtora de leite e símbolo da Terra que nutre suas criaturas quase dispensa apresentações, a jumenta, que para nós é símbolo de ignorância, em muitas tradições e culturas é vista como animal sagrado. Por isso, não é à toa que é no lombo de uma jumenta que Maria grávida foge com José das perseguições do rei Herodes. Diz a lenda que foi a própria Maria que fez a jumenta, exausta da longa viagem, entrar na gruta e, assim, presenciar o nascimento do menino.

Os animais também são símbolos de que todas as criaturas do mundo, mesmo as mais humildes, reconhecendo e homenageando Cristo como filho de Deus, são acolhidas por ele.