Galeria

Vá ao Jardim Botânico e veja com os teus próprios olhos! – Álbum de fotos

Esta galeria contém 40 imagens.

Anúncios

Vá ao Jardim Botânico e veja com os teus próprios olhos

Jardim Botânico - Rio de Janeiro

Jardim Botânico – Rio de Janeiro

Por Jota Junior,

Vá ao Jardim Botânico e veja com os teus próprios olhos!

O espírito ecológico persiste. Quer encontra-lo? Vá ao Jardim Botânico. Depois de mais de duzentos anos de existência, o experiente ancião, localizado no Rio de Janeiro, sobreviveu e testemunhou muitas histórias vividas e/ou contadas nas sombras de seus arboredos. Vejamos um exemplo: você sabia que foi com o objetivo de aclimatar as especiarias vindas das Índias Orientais, que ele foi criado em 13 de junho de 1808, por D. João, Príncipe Regente na época, e mais tarde D. João VI, e que foi chamado de O Jardim da Aclimação, e posteriormente batizado de Jardim Botânico? Pois é, foi com a ameaça da invasão das tropas de Napoleão Bonaparte em Portugal que a nobreza portuguesa mudou-se para o Brasil e instalou a sede do governo no Rio de Janeiro. Entre outros benefícios, a cidade ganhou uma Fábrica de Pólvora, construída no antigo Engenho de Cana de Açúcar de Rodrigo de Freitas. Conta a lenda, que D. João encantado com a exuberância da natureza do lugar instalou o jardim, que em 11 de outubro do mesmo ano passou a ser chamado de Real Horto, e suas primeiras plantas chegaram aqui vindas das ilhas Maurício, do Jardim La Pamplemousse, por Luiz de Abreu Vieira e Silva, que as ofereceu a D. João. Entre elas, estava a Palma Mater.

Hoje, em pleno ano de 2013, apesar dos muitos percalços ocorridos durante a sua trajetória, haja vista alguns embates noticiados pela imprensa recentemente, sobre questões de apropriações e/ou desapropriações de moradores no seu interior ou arredores, o Jardim permanece lá, firme e forte! Ás vezes um pouco mais firme, outras um pouco mais forte, outras nem tanto o mar, nem tanto a terra.

Deixando de lado os entretantos, e indo direto aos finalmentes, a verdade é que, apesar dos muitos pesares, quem visita o Parque, pode ser tomado por sentimentos de tranquilidade, de bem-estar, de descanso e grande contemplação. Pode apreciar a paisagem, que poderá despertar emoções agradáveis. Não se deve perder também a oportunidade de se observar plantas e animais, ouvir o murmúrio das águas que descem das montanhas e suavemente são encaminhadas por canais e cascatas.

Há de se levar em conta, e aproveitar também, o momento em que vivemos de farta contemplação ecológica, muito embora, a questão seja tratada num âmbito muito mais político, que de fato. Não é de ser surpreender a afirmação de Roquette-Pinto (1933) onde afirmou que, “o frei recebeu um parque de diversões, deixou um horto científico” (Frei Leandro do Santíssimo Sacramento, 1778-1829).

Recentemente, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro, teve como objetivo a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

A Rio+20, assim conhecida, porque marcou os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e contribuiu para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas. Entretanto, segundo algumas avaliações, não alcançou os seus objetivos.

Blá-blá-blás expostos, para compensá-los, que tal sentar á sombra de uma árvore e apreciar nosso álbum de fotos. São belas imagens do monumento ao Frei Leandro entre outras… Depois vá lá! Esta é uma possibilidade histórica. Mas há outras possibilidades: como o lazer, o entretenimento, o bem estar e a cultura ecológica em toda sua plenitude. Fato é que O Jardim Botânico tem papel relevante tanto em pesquisas, como na conservação de espécies e no intercâmbio de material vegetal.

Aberto à visitação pública após 1822, o Jardim teve muitos visitantes ilustres: entre eles: Einstein, a Rainha Elisabeth II do Reino Unido e muitos outros. Agora só falta você!

O arboreto científico (parque) está aberto aos visitantes de segunda a domingo, durante todos os dias do ano, excetuando-se 25 de dezembro, 1 de janeiro e momentos específicos de horários adotados pela Presidência do Instituto. O horário normal de visitação é das 8h às 17h, com prorrogação de uma hora para o fechamento das bilheterias no período de horário de verão. Para mais informações, ligue para o Centro de Visitantes – Telefone: +55 (21) 3874-1808 / 3874-1214 ou acesse: http://www.jbrj.gov.br/arboreto/index.htm

Planta que come inseto

O Jardim Botânico acaba de ganhar um lote de 251 plantas carnívoras. São 32 variedades, algumas inéditas no parque, como a Drosera madagascariensis, a Stylidium debire e a Sarracenia psittaceina. Uma parte do lote será exposta ao público na estuafa das insetívoras, enquanto outra parte ficará abrigada no Horto Florestal, em sistema de rodízio.

Galeria

Você conhece Praia Grande? – Álbum

Esta galeria contém 31 imagens.

Você conhece Praia Grande?

Praia Grande - RJ

Praia Grande – RJ

Por Jota Junior

Praia Grande é um distrito do município de Mangaratiba, no Rio de Janeiro. O bairro de mesmo nome é famoso por sua praia, localizada na chamada “Costa Verde”, próximo a praias como Muriqui e Ibicuí que também são boas opções de turismo e lazer.

Praia Grande é uma bela praia, porém pouco conhecida, o que garante muita tranquilidade a seus visitantes. Para chegar lá é preciso atravessar a linha de trem e um tanto de mato, o que já te localiza em contato direto com a natureza. O mar é limpo, raso, sem ondas. Há algumas árvores na praia. O acesso se dá pela Rodovia Rio-Santos. O clima é típico das praias da chamada “Costa Verde” do Estado do Rio, quente e úmido.

Para quem desconhece, Costa Verde é o nome dado a uma faixa de terra que vai do litoral sul do estado do Rio de Janeiro, até o norte do litoral do estado de São Paulo. Engloba os municípios de Mangaratiba, Rio Claro, Angra dos Reis e Parati no estado do Rio de Janeiro e Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela no estado de São Paulo. O nome é dado devido à expressiva presença de Mata Atlântica que ainda existe nesse trecho do litoral brasileiro. Algumas pessoas consideram que este termo se refere a todo o litoral entre a Baixada Fluminense e a Baixada Santista, incluindo assim, os municípios de Itaguaí no Rio de Janeiro e Bertioga e Guarujá em São Paulo.

O lugar é muito Arborizado, o mar apresenta ondas sempre calmas e tranquilas, e o vento sopra uma brisa fresquinha e bastante agradável com cheirinho de mato verde.

Nas sombras dos arvoredos você pode pendurar a sua rede, tirar uma sonequinha preguiçosamente, preparar o piquenique com a família, deixar as crianças se divertirem á vontade e esquecer-se da vida sem nenhuma preocupação.

Pode também preparar o seu churrasquinho lá mesmo, se quiser leve o seu sanduiche ou frango assado prontinho de casa, ou se preferir você mesmo pode pescar o almoço, porque por lá não faltam pescadores gabaritados a te ensinar o caminho das pedras e da boa pescaria, ou se preferir, o lugar conta com quiosques e restaurantes, que servem diversos pratos e petiscos saborosos.

O único problema da Praia Grande, é que quando você chega lá, não tem mais vontade de ir embora, mas até prá isso tem solução: a preços módicos você se hospeda em pensões e hotéis da região, com razoável conforto e segurança.

Todavia, deve se levar em conta, que a Praia Grande é considerada uma das praias mais frequentada da região, durante a alta temporada o movimento de turistas é grande. Além disso, é de lá que partem os passeios de barco que levam a diversas praias da região.

Ah! Não se esqueçam de levar os saquinhos para recolher o seu lixo, afinal, o paraíso deve ser preservado.

Ademais, aproveite! Praia Grande te espera! Junte toda a família, parentes e amigos e vai lá! Depois me conte!